'Que apodreça na cadeia', diz mãe de menina morta pelo pai em MT


A mãe da menina de 2 anos encontrada morta no domingo (18) dentro de uma caixa de papelão em uma mata em Primavera do Leste, a 239 km de Cuiabá, disse esperar que o ex-namorado, suspeito de envolvimento na morte de Maria Eduarda, “apodreça na cadeia”. Lenilson Barbosa de Souza, de 25 anos, e a madrasta da menina, Katia Cristina de Almeida, de 27, foram presos e confessaram, informalmente o crime, de acordo com a Polícia Civil.

Ana Paula Taveira dos Santos disse que espera que o ex-namorado pague pelo crime. “Eu quero que ele nunca mais saia da cadeia e apodreça lá dentro”, afirmou. Ela e Lenilson namoraram durante três meses antes dela engravidar. Logo depois, o casal se separou e, depois do nascimento, a menina passava os fins de semana com o pai.
Após a prisão, a madrasta da menina disse, em depoimento à polícia, que Lenilson se irritou depois que a menina fez cocô nas roupas e agrediu a filha. Segundo o relato, a criança ficou grogue e o pai decidiu dar remédio para a menina. Ela morreu e o corpo foi colocado dentro de uma caixa de papelão. O G1 não conseguiu contato com os advogados dos suspeitos.

Antes da morte da filha, ela conta que Lenilson ligou para ela e pediu para passar um tempo maior com a criança. “Ele reclamou que passava pouco tempo com a menina e eu deixei ela ficar na casa dele, em Água Boa”, conta.

Durante o tempo em que a filha passou com o pai, Ana Paula diz que tentou diversas vezes conversar com a filha, mas não conseguia. Lenilson chegou a ligar para a ex-namorada e dizer que a filha havia desaparecido. Ela chegou a acionar a polícia, mas nenhum registro de desaparecimento foi encontrado.

Ana Paula diz que ainda não acredita na morte da filha. A sensação, segundo ela, é de que a menina vai voltar da casa do pai a qualquer momento. “Eu só sei chorar o tempo todo. Às vezes eu paro e fico pensando que ela vai voltar e que tudo vai voltar a ser como antes”, disse.

O corpo da menina, segundo Ana Paula, ainda não foi liberado pelo Instituto Médico Legal para ser sepultado.

O crime

O corpo da menina foi encontrado no domingo (18). No entanto, conforme a polícia, a menina foi morta no dia 7 de setembro. Segundo a delegada Luciana Casaverde, Lenilson e Kátia, morava em Água Boa e foram trabalhar em uma fazenda na região de Paranatinga, a 411 km de Cuiabá.
A madrasta, o pai e a criança ficaram nessa propriedade por aproximadamente um mês, até que se mudaram para a zona urbana de Primavera do Leste.

“No dia 7 de setembro, ela [madrasta] foi ao mercado e, quando retornou, ele [o pai] disse que tinha batido na menina porque ela tinha feito cocô na roupa e na cama. A criança estava grogue e decidiram dar remédio para dores a ela. Deixaram a menina no quarto e durante a noite viram que ela foi a óbito”, declarou a delegada.
O pai e a madrasta não chamaram a polícia e nem procuraram ajuda depois que perceberam que a menina havia morrido.


“Desocuparam uma das caixas que usaram para a mudança, colocaram o corpo dentro de um saco plástico e o enrolaram no lençol que a criança dormia. Foram trabalhar novamente em uma fazenda e regressaram depois de dois dias. Perceberam que [a casa] estava exalando um forte odor e decidiram se livrar da caixa [com o corpo]”, relatou Luciana.


De acordo com a delegada, somente no dia 12 de setembro o casal retirou a caixa com o corpo da menina de dentro da residência. Eles deixaram a caixa em uma área verde nos fundos do loteamento onde moravam. O casal ainda limpou a casa, que era alugada, e viajou para Goiânia.
Os dois foram autuados por ocultação de cadáver. A perícia deve identificar a causa da morte.
'Que apodreça na cadeia', diz mãe de menina morta pelo pai em MT 'Que apodreça na cadeia', diz mãe de menina morta pelo pai em MT Reviewed by Max Aurelio on 00:43 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.