Após ataques, funkeiro cuiabano é recebido por Jair Bolsonaro


Depois de ter supostamente sofrido ataques por dar apoio ao deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), o funkeiro cuiabano Maxwill Oliveira de Queiroz, de 19 anos, foi recebido pelo parlamentar, em Brasília.


O político gravou um vídeo com Maxwill e postou em sua página, no Facebook, nesta quarta-feira (13).

O cantor, que é conhecido como “MC Mr. Maxi”, denunciou que teve sua casa atacada por bombas e pedras atiradas por desconhecidos, no último final de semana, no bairro Altos do Coxipó, em Cuiabá.

Ele disse que é perseguido pelo público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais), após declarar seu apoio ao deputado, em uma rede social.

Bolsonaro é criticado por comentários contrários ao público LGBT.

Na postagem, o funkeiro disse: “Estou apoiando o Bolsonaro. Novo Presidente do Brasil”.

O vídeo, que tem como tema “Intolerância de quem?”, começa com deputado contando a situação ocorrida com o jovem na capital mato-grossense e, em seguida, critica os ataques supostamente feitos à residência do cantor.

“Essa rotulação, como se ele fosse um traidor do movimento LGBT, não está em jogo aqui. Isso é abominável. Ele tem o direito de defender quem bem entender”, diz Bolsonaro, em trecho do vídeo.

"Nós todos estamos no mesmo barco, não interessa a opção sexual, cor de pele, sexo, se é rico ou pobre. Nós precisamos nos unir para um Brasil melhor para todos nós. Não é com essas frescuras como fazem com este jovem de 20 anos que nós vamos mudar. Não é assim, é unindo todos nós. Todos somos iguais, vamos salvar o Brasil”, afirmou o parlamentar.

Entenda o caso

Maxwil Queiroz registrou um boletim de ocorrência, afirmando que estava, na madrugada do último dia 9, em sua residência, quando ouviu o barulho de algo explodindo no quintal.

Conforme o B.O., ele foi olhar para ver o que havia acontecido e afirmou que se tratava de bomba caseira.

Logo em seguida, desconhecidos teriam atirado pedras em direção ao imóvel. Uma delas atingiu a lâmpada da entrada da casa, deixando o local no escuro.

O cantor acredita que os ataques foram provocados pelas pessoas do público LGBT que o ofenderam após a postagem na rede social, dizendo que ele seria homofóbico.

O jovem chegou a se retratar em sua página na internet, afirmando não ser homofóbico, porém, as ofensas e até ameaças de morte não cessaram.

“Eu não tenho nada contra os homossexuais, pelo contrário, meu público é LGBT. Só que tudo isso está assustando minha família e me prejudicando profissionalmente. Estou perdendo contrato de shows, que estão sendo cancelados por causa da repercussão”, afirmou.

Ele contou que algumas pessoas do público LGBT criaram um grupo, no aplicativo WhatsApp para fazer ameaças e ofensas. O cantor ainda afirmou que passou a se trancar dentro de casa com medo de represálias.

Fonte: Mídia News
Após ataques, funkeiro cuiabano é recebido por Jair Bolsonaro Após ataques, funkeiro cuiabano é recebido por Jair Bolsonaro Reviewed by Max Aurelio on 16:10 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.